O antropólogo, sociólogo, historiador, indigenista e poeta Darcy Ribeiro tem um campus com seu nome, o da Universidade de Brasília (UnB). Daí se pode dimensionar a enormidade de seu legado, de sua trajetória. Autor do seminal “O povo brasileiro”, foi responsável pelo Memorial da América Latina e pelo Museu do Índio, Darcy aliou-se aos irmãos Villas-Bôas para criar o fundamental Parque Nacional do Xingu, a primeira reserva indígena do Brasil e a maior das Américas.

Darcy, que também foi senador, vice-governador do Rio de Janeiro e ministro, nasceu em 26 de outubro de 1922. Nessa quarta-feira, portanto, celebrou-se o centenário de seu aniversário, com ampla cobertura da imprensa.

Na EBC, porém, não houve sequer menção ao fato na Radioagência, na TV Brasil nem na Agência Brasil. A exceção se deu na Rádio MEC, que fez um especial para homenageá-lo. O programa, porém, foi censurado. Foram cortados, justamente, o trecho e a sonora que recuperavam a história da UnB, citando o fato de que tanto discentes como docentes da instituição foram severamente perseguidos por agentes da ditadura e pontuando como a sombria fase destroçou o projeto idealizado para a universidade.

As chefias censoras impediram que o especial da rádio ganhasse destaque no site da EBC, em forma de postagem, afirmando que talvez, com muita sorte, subam o conteúdo após o segundo turno das eleições no domingo (30). Para compensar, deixamos aqui dois links de belas produções feitas há algum tempo na EBC: o primeiro, de 2016, reconta a história de Darcy; o outro direciona aos episódios da série televisiva O Brasil de Darcy Ribeiro, de 2014:

Darcy Ribeiro articulou resistência ao golpe de 1964 | https://memoria.ebc.com.br/cidadania/2016/03/darcy-ribeiro-articulou-resistencia-ao-golpe-de-1964

Série O Brasil de Darcy Ribeiro | https://tvbrasil.ebc.com.br/o-brasil-de-darcy-ribeiro

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário