Para marcar o 13 de maio, dia em que foi assinada a abolição da escravidão no Brasil, a Agência Brasil e a TV Brasil publicaram bons conteúdos lembrando que a data mais importante para o movimento negro do país é outra: 20 de novembro.

Na Agência (https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2022-05/so-com-luta-de-negros-foi-possivel-abolir-escravidao-diz-especialista), o texto começa contundente:

“O fim da escravidão legalizada no Brasil foi um processo construído por pessoas negras, um ponto que especialistas consideram fundamental ser lembrado no dia 13 de maio, data da abolição da escravidão.”

A reportagem lembra que se tratou do fim da escravidão LEGALIZADA, já que, até os dias de hoje, ainda se encontram pessoas em situação análoga à escravidão no pais, como aponta outra reportagem publicada pela Agência no mesmo dia (https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2022-05/idosa-trabalha-72-anos-em-situacao-analoga-escravidao). Ainda no dia 13 de maio, um texto repercutindo a derrubada de um memorial no Jacarezinho, favela da zona norte do Rio de Janeiro, também tratou da abolição incompleta pela qual passa a população negra do Brasil (https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2022-05/entidades-pedirao-reconstrucao-de-monumento-no-jacarezinho).

Voltando à primeira reportagem, o texto contextualiza a disputa de narrativas que envolve a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 18 de maio de 1888, colocada no discurso oficial como uma benesse da monarquia em favor das pessoas escravizadas quando, na verdade, envolveu anos de luta de figuras negras importantes como José do Patrocínio, Luiz Gama e André Rebouças.

O texto explica também que a luta abolicionista pode ser considerada o primeiro movimento social do país e lembra que o 20 de novembro, data da morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, e Dia da Consciência Negra, se conecta com uma perspectiva mais ampla da luta contra a escravidão, o racismo e a situação das pessoas negras do Brasil.

 

Caminhos da Reportagem

No domingo, 15 de maio, foi ao ar pela TV Brasil o episódio A luta pela abolição, do programa Caminhos da Reportagem (https://tvbrasil.ebc.com.br/caminhos-da-reportagem/2022/05/caminhos-da-reportagem-resgata-tradicoes-e-herancas-negras-no-brasil). O material, produzido pela TV Feira, parceira da TV Brasil em Feira de Santana (BA), mostrou os ecos presentes até hoje no Brasil que reverberam os quase 5 milhões de negros escravizados trazidos para o país em 35 mil viagens de navios negreiros no tráfico transatlântico.

O episódio conta a história de vários personagens e movimentos que reagiram contra a estrutura de violência a que os africanos foram submetidos em terras brasileiras, como Lucas da Feira, as rebeliões dos haussás, iorubás, nagôs e malês e, claro, o Quilombo dos Palmares. Também mostra como estão os remanescentes quilombolas atualmente, a história do advogado negro abolicionista Luiz Gama e a falta de políticas públicas para os ex-escravizados após a abolição.

No segundo bloco, o Caminhos explora a contribuição negra para a vida brasileira, com os sincretismos com a religião católica e o culto do candomblé, perseguido até hoje em muitos locais; o patrimônio imaterial brasileiro da capoeira, também patrimônio mundial tombado pela Unesco que chegou a 70 países; e o samba e carnaval dele derivado, que são a cara do Brasil.

Além do tema relevante, o episódio é um ótimo exemplo de parceria que deve ser incentivada na comunicação pública, para que conteúdos produzidos fora dos principais centros urbanos alcancem todo o país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário