Curso gratuito terá quatro aulas com especialistas da academia e da sociedade civil

A Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública, formada por entidades da sociedade civil, acadêmicas, sindicatos, pesquisadores e jornalistas, oferece, dos dias 6 a 9 de abril, o curso Comunicação pública: fortalecimento da sociedade e da democracia. Entre os palestrantes estão os professores da ECA-USP Laurindo Leal Filho e da UnB Murilo César Ramos, a jornalista e radialista Mara Régia e a jornalista Tereza Cruvinel.

Promovido em parceria com o Centro de Pesquisas e Produção em Comunicação e Emergência da Universidade Federal Fluminense (Emerge UFF), grupo de pesquisa integrante da Frente, o curso tem o objetivo de esclarecer e conscientizar a sociedade sobre a relevância da Comunicação Pública para um ambiente democrático e destacar a importância da EBC no cenário de concentração midiática brasileira.

Aberto ao público geral, com emissão de certificado de participação pelo Emerge UFF (limitado a 280 vagas), a iniciativa integra a campanha #FicaEBC, uma mobilização da Frente contra a inclusão da Empresa Brasil de Comunicação no Programa Nacional de Desestatização (PND).

Tal anúncio foi feito no dia 16 de março pela Secretária Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, e publicado no Diário Oficial da União no dia 23 de março. Segundo ela, os estudos de viabilidade de venda da EBC serão feitos pelo BNDES e, caso se conclua que a privatização não seja atrativa, por ser a empresa dependente do Tesouro, a outra possibilidade é a liquidação da EBC. Ou seja, o governo avalia fechar a empresa e, com ela, todas as emissoras da Rádio Nacional e da Rádio MEC, a TV Brasil, a Agência Brasil e a Radioagência Nacional.

Na live de lançamento do curso (disponível aqui: https://www.youtube.com/watch?v=78cUhJO18FU), ocorrida no dia 30 de março, Fernando Oliveira Paulino, professor da UnB e Coordenador do Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom) e da Rede Nacional de Observatórios da Imprensa (RENOI), destacou que a comunicação pública é uma conquista da sociedade, além de estar prevista na Constituição Federal de 1988, como uma forma de enfrentar a tendência autocrática que vigora no ambiente midiático brasileiro.

 “Houve resistências ao longo do tempo, pautadas por movimentos sociais e organizações da sociedade civil, que tem lutado, especialmente de 1988 para cá, pela complementaridade da comunicação no país. E com isso a necessidade de se estabelecer ferramentas e instrumentos de promoção do direito à comunicação, especialmente a partir da comunicação pública, ou seja, aquela que atenda não apenas um grupo da sociedade, ou uma perspectiva sobre a sociedade, mas sim uma comunicação que seja compartilhada, diversa e que crie condições para que a sociedade brasileira se veja em sua pluralidade e nas suas possibilidades mais diversificadas de produção, distribuição e acesso à comunicação e à cultura”.

 O professor Adilson Cabral, coordenador do Emerge UFF, falou do aspecto perverso com que grupos tratam a EBC desde sua criação, gerando desinformação para a sociedade sobre o que é o projeto da comunicação pública.

“A gente compreende a área da comunicação como se fosse um arquipélago composto de três ilhas, onde o estatal é distinto do público. A gente deveria compreender e construir uma caracterização para além dessa distância que separa o estatal do público, e não compreender o sistema estatal como institucional que se pode fazer o que quiser, que se pode garantir uma propaganda do governo de turno. Enquanto que o público seria essa caracterização do poder público com a sociedade”.

O professor de jornalismo da UFF Pedro Aguiar, especialista em agências de notícias, destacou a importância da EBC na distribuição de conteúdos jornalísticos para outras empresas de mídia, inclusive privadas, feita especialmente pela Agência Brasil e pela Radioagência Nacional, exercendo um papel fundamental no mercado midiático brasileiro.

“Não estamos falando só de mídia pequena ou alternativa. Estamos falando de grandes veículos de comunicação do país, que pertencem a conglomerados multimídia empresariais e que se apoiam especialmente na produção da Agência Brasil para construir o material que oferece ao seu público e, com isso, atrair audiência e ganhar dinheiro com a publicidade”.

Aguiar chama a atenção para a ordem econômica na qual a EBC está envolvida, para além do patrimônio e das marcas históricas que compõem a empresa.

“Se a gente pensar na economia da comunicação e da informação no Brasil, a EBC hoje funciona como um fornecedor muito importante para as empresas privadas, que, seguindo a lógica de mercado, não dão conta, ou não conseguem, ou não querem dar conta do que a EBC produz. Talvez o grande público não tenha noção dessa capilaridade”.

A transmissão do curso Comunicação pública: fortalecimento da sociedade e da democracia será aberta ao público, pelo canal do YouTube do Centro de Pesquisas e Produção em Comunicação e Emergência da Universidade Federal Fluminense (EMERGE UFF). Para obter o certificado de participação, deve ser feita inscrição antecipada gratuita em https://doity.com.br/curso-comunicacao-publica-fortalecimento-da-sociedade-e-da-democracia (limitado a 280 vagas).

SERVIÇO

Curso Comunicação pública: fortalecimento da sociedade e da democracia

De 10h às 11h30

Aula 1 – 06/04

Comunicação pública: conceitos, diretrizes internacionais e criação da EBC

Tereza Cruvinel (jornalista e primeira presidenta da EBC)

Murilo César Ramos (professor emérito da UnB e ex-conselheiro da EBC)

Outros nomes a confirmar

Mediação: Jonas Valente

YouTube – https://www.youtube.com/watch?v=Hj1T256pVKw

Aula 2 – 07/04

Desmonte e Resistências:  participação social e democratização da mídia

Laurindo Leal Filho (professor da ECA/USP e 1º Ouvidor-geral da EBC)

Rita Freire (Jornalista, ex-presidenta do Conselho Curador da EBC)

Beth Costa (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC)

Mediação: Guilherme Strozi

YouTube – https://www.youtube.com/watch?v=REOUaH45ooM

Aula 3 – 08/04

E lá fora? Visões e práticas internacionais da comunicação pública

Palestrantes a confirmar

Mediação: Mariana Martins

YouTube – https://www.youtube.com/watch?v=ShWbSmo-cNs

Aula 4 – 09/04

No Brasil: redes de comunicação pública e a EBC

Cláudia Lemos (ABCPública/Câmara dos Deputados)

Ivonete da Silva Lopes (UFV)

Mara Régia (Viva Maria/EBC)

Mediação: Eliane Gonçalves

YouTube – https://www.youtube.com/watch?v=TflcUxxAsfQ

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário